Post Destacado

Biografia

Foto escrevendoThiago Luz, nome artístico de Thiago Oliveira de Carvalho, nasceu no Rio de Janeiro em 1982. Trabalha no setor petrolífero e é graduado em letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

No gênero poesia, publicou os livros “Fragmentos Noturnos” (Multifoco, 2012) e “Fragmentos de um Vencido” (Poesia Fã Clube, 2013), este último em Portugal. Em 2013 lançou de forma independente o seu primeiro romance: “Bravo! Quando os homens se tornam heróis”.

Possui diversas premiações em concursos literários promovidos por universidades, prefeituras e fundações culturais, dentre as quais se destacam:
– Finalista do Prêmio UFF de Literatura por 7 anos consecutivos – 2008-2014
– Selecionado para publicação do livro “Fragmentos de um Vencido” no 3° Concurso de Poesia “Poesia Fã Clube” (Portugal) – 2013
– 1° Lugar no V Concurso Literário da Academia Madureirense de Letras – AML (contos) – 2016
– 1° Lugar no 32° Festival Poético de Cornélio Procópio (SESC/PR) – 2016
– 1° Lugar no 1° Concurso Literário da ABRAMMIL – 2013
– 1° Lugar no XXVII Concurso de Poesia “Brasil dos Reis” – 2012
– 2° Lugar no VI Concurso Literário “Pérolas da Literatura” (crônica), da Prefeitura de Guarujá – 2015
– 2° Lugar no 31° Concurso de Poesias de Mogi Guaçu – 2015
– 2° Lugar no 4° Concurso Literário da Academia Madureirense de Letras (contos) – 2015
– 2° Lugar no XIV Concurso de Contos Petros – 2014
– 2° Lugar no Prêmio UFF de Literatura 2013 (crônica)
– 2° Lugar no Prêmio UFF de Literatura 2010 (poesia)
– 3° Lugar no Concurso de Contos “Alípio Mendes” – 2016
– 3° Lugar no XXIV Prêmio Moutonnée de Poesia – 2014
– 3° Lugar no I Concurso Literário de Nova Friburgo – 2013
– 3° Lugar no VII Concurso Rubem Braga de Crônica – Academia Cachoeirense de Letras – 2012
– Finalista do XVIII FestCampos de Poesia Falada – 2016
– Finalista do II Concurso de Poesia Autores S/A – 2012
– Finalista do Prêmio FEUC de Literatura por 3 anos consecutivos – 2009-2011
– Finalista do IV Concurso de Composição do Leoni – 2012

*O autor possui ainda premiações (menção honrosa ou selecionado para publicação em antologia) nos seguintes concursos literários:
– Selecionado no 3° Prêmio Escriba de Crônicas – 2017
– Selecionado no Concurso “Natureza 2016” (Portugal) – 2016
– Selecionado no Prêmio SESC de Poesia Carlos Drummond de Andrade – 2016
– Menção honrosa no I Concurso ALAP “Paranavaí Literária” (Haicai) – 2016
– Selecionado no X CLIPP (Concurso Literário de Presidente Prudente) – 2016
– Menção honrosa no Prêmio Lila Ripoll de Poesia, da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul – 2011
– Selecionado no 15° Concurso de Poesias CNEC Capivari – 2015
– Selecionado no II Concurso de Microcontos de Humor ou de Amor (Araraquara) – 2015
– Menção honrosa no XXIX Concurso de Poesia “Brasil dos Reis” – 2014
– Entre os 10 classificados no 3° Concurso Cultural Poesia Urbana (Centro Universitário de Brusque) – 2013
– Selecionado no 10° Concurso Poemas no Ônibus de Gravataí – 2013
– Finalista do XIII Concurso de Contos Petros – 2013
– Selecionado no 4° Prêmio TOC – 2013
– 4° Lugar no Concurso “Brasília é uma festa” (crônica) – 2012
– Selecionado no concurso Microcontos de Humor de Piracicaba – 2012
– Menção honrosa no 4° Poetizar O Mundo – 2011
– Menção honrosa no XXVI Concurso de Poesia “Brasil dos Reis” – 2011
– Menção honrosa no XX Prêmio Moutonnée de Poesia – 2010
– Finalista do II Festival de Poesia Falada do Rio de Janeiro (APPERJ) – 2009
– Menção honrosa no I Concurso Nacional de Cordeiro “Troféu Cecília Meireles” – 2008
– Finalista do XII Concurso Nacional de Poesia Francisco Igreja (APPERJ) – 2007
– Selecionado no Concurso “Poetas do Brasil” – 2007

 

 

Anúncios

O Bule

O que é belo é breve.
Um sorriso guardado
Em um retrato empoeirado na estante,
Um adeus sufocado
Pela fumaça do trem que já parte.
Um poema
Que tenta do infinito apenas um instante.

E a memória, fugaz,
Desaprende o rosto,
Os gestos,
Até o gosto
Do café da minha infância…
É um vulto atrás do fogão?
Um vulto sem nome…
Um vulto sem nome que me ama…
Um vulto sem nome que me ama e não me olha…

Mas vejo um bule…
Além do vulto, um bule!
Em metal frio refletindo o meu rosto de guri,
Ali, estatelado na cozinha do passado,
Enquanto o vulto vai,
Sempre vai o vulto…
Sem olhar pra trás.
Qual o seu nome?
Um vulto sem nome que me ama e não me olha.
Sempre vai o vulto,
E sempre me vem o maldito,
O maldito do bule que não é breve,
Porque só o que é belo é breve,
É vulto,
O resto é metal frio,
É o que me fica de herança,
É entulho nos armários da lembrança.

E o que me resta além do bule?
O que me resta?
Talvez o poeta,
Este ente,
Apaixonado e transitório,
Temporal e saudosista,
Poente,
Que escreve…
O que é belo é breve
E o poema
Do infinito é apenas um instante.

Limão com tamarindo

Eu enfio a língua na entrelinha,
essa lasciva abertura entre dois versos
fenda íntima de um poema!

E aqui, aviso logo,
não há chocolate na cobertura,
também não é doce,
nem autoajuda.
É literatura, camarada,
literatura!

Eu enfio a língua na entrelinha,
essa lasciva abertura entre dois versos,
fenda íntima ao infinito!

E aqui, aviso logo,
é azedo o gosto,
meio amargo
porque
literatura, meu amigo,
é limão com tamarindo!

O gigante do rio

A velhice é comparsa da infância. Cheguei a essa conclusão já adulto, ao me lembrar de tia Vivi na cadeira de balanço na varanda. Ela já estava bem velhinha, devia ter quase oitenta, e costumava passar os finais de semana na casa dos meus avós. Seus sorrisos traquinas contrastavam com as impiedosas valas que o tempo havia cavado em seu rosto, deixando transparecer um espírito jovial e a certeza de que a velhice era apenas uma casca.

Certa vez, em uma de nossas caminhadas matinais pelos arredores da vila em que meus avós moravam, tia Vivi me contou sobre um gigante adormecido que havia no fundo do rio que passava ali perto:

– Estás a ver o rio? Há um gigante adormecido aí dentro. – Ela disse.

– Um gigante?! Jura?

– Sim, sim, querido. É um gigante horrendo. Estás a ver o fundo? Na verdade, são as costas do gigante.

– Nossa! Queria que ele se levantasse…

– Eu também, querido. Eu também.

– Posso jogar uma pedra?

– Hummm… Sim! – Ela sorriu. – Mas espere…

Ela então caminhou devagarinho até o portão da vila, enquanto eu aguardava na ponte, nervoso e feliz ao mesmo tempo. Ela fez um sinal de positivo. Eu arremessei a pedra e saí em disparada sem olhar para trás. Nisso, tia Vivi já estava dentro do terreno só esperando eu entrar para trancar o portão. Passamos a fazer isso todo domingo e eu corria, corria. E ria. Ela também. Parecia uma moleca a fazer travessuras.

Depois, minha avó fazia rabanadas de Natal mesmo que não fosse Natal e nós nos sentávamos na varanda para comer e beber laranjada. Tia Vivi era baixinha, magrinha, mas comia como gente grande. Traçava quatro ou cinco rabanadas num café da manhã. Então, ela e meu avô começavam a falar de antigamente, e eu ia para o canto com os meus soldadinhos de chumbo. Depois do almoço, o irmão do meu avô vinha buscá-la e eu voltava para a casa dos meus pais.

Mas num desses domingos de manhã, a cadeira de balanço estava vazia. Também não havia rabanadas, nem laranjada. Na sala, meus avós estavam tristes, minha mãe estava triste, até o canário do meu avô estava silencioso. A gente nunca sabe quando as manhãs da nossa infância deixam de ser mágicas, não é mesmo? Mas acontece. E acontece muito de repente.

Caminhei solitário até a ponte. Olhei as costas do gigante no fundo do rio e senti uma vontade imensa de chorar. Eu sabia que ele jamais se levantaria.